Bem-vindo a Darwin 2009 | 21 Setembro 2017
PT EN
Banner da zona

PÁGINA INICIAL

Darwin representa uma revolução no pensamento científico; foi um dos pensadores que mais contribuiu para a consolidação dos ideais emergentes no século das luzes e para as mudanças que tornaram o mundo naquilo que hoje conhecemos. Gostaríamos que todos os portugueses conhecessem melhor a obra deste naturalista e percebessem o seu impacto. Consideramos que Darwin deve ser lembrado por todos e estamos a esforçar-nos por isso!

Alexandre Quintanilha

Durante o ano de 2009, a Ciência Viva e o Conselho de Laboratórios Associados convidaram todos a juntar-se às iniciativas que assinalaram o bicentenário do Nascimento de Charles Darwin e o 150º aniversário da publicação do livro “A Origem das Espécies”.

Darwin2009.pt visa agora mostrar as diversas iniciativas que decorrerem em Portugal durante estas comemorações, constituindo também um ponto de partida para discutir a Teoria da Evolução e as visões contemporâneas sobre os mecanismos de evolução biológica.

Participe nos fóruns de discussão e conheça as diversas actividades disponíveis.

Um exemplo de Evolução - borboleta Biston Betularia

A borboleta Biston betularia existe em duas cores: clara e escura.

Biston betularia morpho typica

Biston betularia morpho carbonaria

Em Inglaterra, antes de 1848, as borboletas escuras constituíam menos de 2% da população. Depois desta data a percentagem começou a aumentar ao ponto de, em 1898, o tipo escuro representar 95% das borboletas de Manchester e doutras áreas altamente industrializadas.

De facto, a população de borboletas mudou: de uma população caracteristicamente clara (typica) passou a escura (carbonara). Sabe-se hoje que o aumento da abundância relativa do tipo escuro, em apenas 50 anos, ocorreu devido à selecção natural.

 

Como se explica esta mudança?

Um dos hábitos da Biston betularia é descansar em troncos e ramos de árvore. Os vidoeiros de casca branca são abundantes em Inglaterra e os líquenes claros cobrem a maioria dos troncos das árvores. Isto permitia às borboletas claras uma excelente camuflagem contra a predação.

No entanto, na última parte do século XIX Inglaterra vivia o período de revolução industrial. Nessa época os campos e os bosques de algumas cidades, como Manchester, foram contaminados pela fuligem que enegreceu os troncos das árvores e eliminou os líquenes que são extremamente sensíveis. Contra um fundo escuro as aves podiam ver melhor as borboletas claras que se tornavam um alvo fácil de predação. Como resultado, sobreviveram mais borboletas escuras até à idade reprodutiva e deixaram descendência abundante. O maior número de descendentes deixados pelas borboletas escuras teve como consequência o aumento da frequência desta característica na população.

 

Qual a borboleta que tem mais probabilidade de sobreviver?

A borboleta branca! Por ter uma coloração clara, fica bem camuflada na superfície dos troncos destas árvores, local onde habitualmente repousa. Assim, escapando aos pássaros, seus predadores, têm mais hipóteses de sobreviver. As escuras não encontram tantos locais onde passem despercebidas.

AGENDA


Darwin TV
Veja os videos na DarwinTv